Trabalho Remoto

Os benefícios pessoais e familiares do trabalho remoto são muitos e bastante difundidos. Menos desperdício de tempo no trânsito, maior tempo com filhos e família de forma geral, melhor alimentação, sono, qualidade de vida em geral.

Potencialmente melhores condições de ergonomia, mais espaço, mais silêncio, menos interrupções. Há muitos benefícios.

Mas pouco se fala dos prejuízos. E não sou defensor de CNPJ. Não me preocupo tanto com os prejuízos para a empresa. Mas entendo que o trabalho remoto não funciona sem elos fortes de compromisso e muita capacidade pessoal de comprometimento.

Contexto Sempre Importa

Vou nomear “contexto” todo o conjunto de elementos que nos influenciam em um ambiente físico.

O contexto do ambiente de escritório está mais voltado ao trabalho. Em geral os assuntos conversados, as intenções de cada profissional, o que está disponível aos olhos, tende a ser, trabalho.

E mesmo que um programador não esteja se importando muito com a empresa, mesmo assim ele se beneficia de um ambiente com outros programadores para aprender, conviver, e ver coisas que não veria em casa.

Em casa, eu, morando com dois filhos e minha esposa, sou rodeado pelas demandas de uma bebê, uma menina em idade escolar e uma esposa professora de Yoga cujas demandas e interesses passam longe do Java ou do PHP.

Quando eu me levanto em busca de um café, minha bebê me sorri, meu filho me pergunta sobre a tarefa. O contexto me provoca para outras experiências de vida.

Se acabam as fraldas e eu estou a quilômetros de distância, não será problema meu. Se estou há apenas dois metros no escritório, é muito difícil que este problema não seja meu, também.

Compromisso Pessoal Sempre Importa

Meu compromisso primordial é com minha família e filhos.

Por mais que eu compreenda que o trabalho sustenta a casa onde eu moro, meu compromisso é com a experiência de ser pai. E cada homem e mulher terá seus compromissos.

Assim, é natural e importante para a saúde do trabalho remoto compreender esta hierarquia de compromissos para se posicionar melhor sobre como conduzir os movimentos de trabalho e vida.

Quais os seus principais compromissos?

Nesta fase de vida, para você carreira vem em primeiro lugar? A empresa está no foco? Sua família?

Quando meu primeiro filho nasceu meu compromisso principal era com a empresa. Estava construindo algo do qual me orgulho muito até hoje, o QEdu.org.br. Dei tudo pela empresa onde estava, na boa empolgação juvenil, mesmo sem ser sócio nem nada. Era o que sentia que devia fazer naquele momento. Rodei o Brasil inteiro, dei palestras, convivi com profissionais maravilhosos.

Naquele momento, mesmo que houvesse a possibilidade, e eu já tinha meu primeiro filho pequeno, vivenciar aquele ambiente da empresa era o meu compromisso maior.

Naturalmente isso gerou problemas e consequências.

E hoje, no segundo filho, meu compromisso hierárquico, mesmo trabalhando em uma empresa muito linda e forte, mudou.

Meu compromisso hoje é com a minha família, mas mesmo isso está mudando, porque a própria família quer ter uma casa própria.

Meu compromisso está mudando para dinheiro como primário.

Entende como as coisas mudam? Se modificam?

Comprometimento Define a Prioridade

Comprometimento para mim é sinônimo de escolha no médio prazo. Comprometimento é uma escolha com intenção se manter por algum tempo. De preferência, na casa dos anos.

Então, quando vejo debates sobre se trabalho remoto é melhor ou pior, eu acho isso absolutamente irrelevante como discussão desconectada do projeto de vida individual de cada humano envolvido.

Existe o contexto individual. As condições físicas de cada pessoa que irão favorecer mais ou menos uma escolha.

E existe o compromisso individual. Os desejos, aspirações e intenções da pessoa naquele momento.

A reflexão sobre ambos, casada com uma atitude geram um comprometimento com algo. E este comprometimento irá determinar se trabalhar remoto, presencial, híbrido ou seja lá o que for, será melhor ou pior.

De alguma forma, isso vale para as empresas e seus CEOs que irão escolher os rumos de seus agrupamentos coletivos baseados nas pressões externas (contexto) e internas (desejos, vontades).

Trabalho remoto é bom?

Qual seu comprometimento maior hoje?

Por qual motivo esse texto é importante?

Para fugir do lugar comum de pensarmos que existe um modelo certo. Não existe.

Conheço um contexto onde a equipe da empresa prefere ir trabalhar na empresa. O ambiente da empresa é melhor do que trabalhar das suas próprias casas.

Eu estou trabalhando remoto há anos, mas esse tempo coincidiu fortemente com meu grande interesse de cuidar mais da minha família e coincidiu com alguma estagnação na minha carreira.

Hoje, pretendo dedicar mais atenção para a minha carreira, sem dúvida. Mas de um ponto de vista de estudo e dedicação que com certeza irão me tirar tempo com meus filhos, mas ainda se beneficia do modelo remoto pois o silêncio e minha infraestrutura de casa são excelentes, embora precise ainda dominar melhor o foco em relação as questões familiares.

Tenho certeza absoluta que quero trabalhar em escritório presencial novamente em alguns anos, quando estiver novamente em uma fase em que estar com outros profissionais 8 horas por dia construindo algo grande se tornar fundamental outra vez.

Somos livres para avaliar nossos interesses de forma individual, e então, sentir o que é melhor.

Algumas dicas gerais sobre trabalho remoto

As dicas abaixo são reflexões baseadas em ações que eu fiz em momentos diferentes da minha vida, todas elas eu experimentei. Qualquer dúvida e se quiser prolongar o assunto, me procura no Twitter.

  • Se sua empresa atua com trabalho remoto e seu contexto individual de ambiente não está te ajudando, procure um coworking.
  • Se sua carreira hoje se desenvolve melhor remoto e você está totalmente comprometido com ela, monte com cuidado seu próprio escritório seja fora de casa ou em um quarto próprio. Deixe este escritório com elementos que favoreçam o trabalho e te lembram onde você quer chegar.
  • Se sua empresa tem contexto presencial e isso está prejudicando muito sua família, e você não consegue mudar sua carreira ou de empresa, considere ir morar mais perto do trabalho.
  • Se você está começando agora sua carreira e precisa conviver com mais profissionais, procure um contexto de trabalho presencial com bom número de pessoas, ajuda muito.
  • Se você quer se dedicar mais aos seus filhos e família, com horários mais flexíveis, se dedique o quanto antes a estudar e se tornar valioso pelo seu conhecimento e comprometimento no longo prazo. Vai ser mais fácil atrair oportunidades de trabalho que não vão se importar se você está trocando fralda ou produzindo código, desde que, claro, você tenha compromisso pessoal com as entregas e saiba executá-las bem.

Trabalho remoto é bom. Mas é apenas mais uma forma possível que nós, como humanos, devemos usar conscientemente, de acordo com o que temos como contexto externo e compromisso interno.